A Paciência de Deus - Stephen Charnock


Naum profetizou contra Nínive. Embora aos olhos dos homens o julgamento sobre a capital da Assíria parecesse tardio, sem dúvida alguma aquele dia chegaria. Era a paciência de Deus que o detinha. O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em poder, e ao culpado não tem por inocente; o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés (Naum 1: 3). Note a conexão entre o poder de Deus e Sua paciência. O poder de Deus sobre si mesmo é o que faz com que a Sua ira seja lenta. Quando Moisés intercedeu por Israel, em Números 14: 7, ele se apegou a paciência de Deus ao orar da seguinte maneira: Agora, pois, rogo-te que a força do meu Senhor se engrandeça. Deus tem poder sobre si mesmo para suportar grandes injúrias sem vingança imediata. Ele tem tanto o poder da paciência quanto o poder da justiça.

Não devemos pensar sobre a paciência de Deus como se Ele estivesse sofrendo, como ocorre no caso dos homens. Antes, a paciência de Deus nada mais é do que a disposição de adiar a Sua ira sobre criaturas ímpias. Por mais que uma pessoa sofra muito nesta vida, ainda assim ela sofre menos do que na verdade mereceria, por isso deveríamos ser gratos pela paciência de Deus. Outros termos paralelos nas Escrituras incluem: longanimidade, suportar, ficar em silêncio. Este foi um dos atributos que Deus proclamou pessoalmente a Moisés ao dizer: O SENHOR, o SENHOR Deus, misericordioso e piedoso, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade (Êxodo 34: 6).

I.    A NATUREZA DA PACIÊNCIA DE DEUS.

Em alguns aspectos, a paciência de Deus difere de Sua bondade e misericórdia. A misericórdia olha para as criaturas como miseráveis; a paciência as vê como criminosas. A misericórdia se compadece do pecador; a paciência suporta os seus pecados. A misericórdia não teria lugar se a paciência não preparasse o caminho; paciência é o primeiro sussurro da misericórdia. A bondade se estende a todas as criaturas em seu estado original, assim como a todas as criaturas terrenas em seu estado de caídas; paciência com respeito ao homem em particular, considerado como uma criatura culpada. O adiamento do castigo dos anjos caídos não deve ser chamado de paciência, porque onde não há propósito de misericórdia, também não há o exercício da paciência. A paciência é uma complacência temporária, a fim de permitir a mudança do coração. Se o pecado não tivesse entrado no mundo, Deus nunca teria exercido paciência.

A paciência de Deus não está fundamentada em algum tipo de fraqueza da Sua parte. Não é pelo fato de Ele ser incapaz de irar-se, ou que ignore as provocações, ou mesmo que não seja capaz de cumprir Suas promessas. Ele vê e considera cada pecado, pois diz: Estas coisas tens feito, e eu me calei; pensavas que era tal como tu, mas eu te arguirei, e as porei por ordem diante dos teus olhos (Salmo 50: 21).

A paciência de Deus não é fruto da covardia, fraqueza de espírito, ou falta de poder, como normalmente ocorre com os homens. O poder de Deus não diminuiu desde que Ele criou o mundo a partir do nada. Mas bastaria apenas uma só palavra, vinda de Sua boca, para que a criação voltasse a ser “nada” novamente. Ele pode tirar a vida de qualquer pessoa a qualquer momento.

Ao invés da falta de poder sobre Suas criaturas, a paciência de Deus está fundamentada na plenitude do poder que Ele tem em si mesmo. A pessoa considerada mais fraca é aquela que tem menos controle sobre as suas paixões. Portanto, Provérbios 16: 32 diz: Melhor é o que tarda em irar-se do que o poderoso, e o que controla o seu ânimo do que aquele que toma uma cidade. Deus tem tal domínio sobre Si mesmo, que é incapaz de ter qualquer tipo paixão semelhante a dos homens. O Seu exercício de paciência é um dos maiores argumentos a respeito do Seu poder de criar o universo. Deus suportou com muita paciência os vasos de ira, através dos quais Ele demonstraria o Seu poder (Romanos 9: 22). Nós vemos mais do Seu poder através da Sua paciência do que da Sua ira.

O exercício da paciência de Deus é o fundamento da morte de Cristo. Isso fica evidente pelo fato de Deus não ter demonstrado paciência para com os anjos caídos, pois Ele os colocou sob castigo assim que pecaram. Cristo não morreu por eles, mas pelo homem. Mesmo aqueles homens que Ele não redimiu em Sua morte, receberam certos benefícios temporais disso, especialmente por desfrutarem da paciência de Deus. Neste sentido, é dito a respeito de Cristo que Ele resgatou aqueles sobre os quais virá repentina destruição, e cuja perdição não dormita (II Pedro 2: 1-3). Ele comprou o direito da continuidade de suas vidas, e aguarda a sua execução, a fim de que a oferta da graça pudesse ser feita a eles. Como a graça não pode ser encontrada fora de Cristo, assim a paciência não poderia ser conhecida sem o sacrifício de Cristo. A vinda de Cristo foi o motivo pelo qual vemos Deus exercendo a Sua paciência nos tempos do Velho Testamento. Hoje, o ajuntamento dos Seus eleitos é o motivo do exercício da Sua paciência.

Nenhum outro atributo impede o exercício da paciência de Deus. A veracidade das ameaças de castigo não é violada simplesmente porque Deus espera muito tempo para cumpri-las. Nos quarenta dias que Ele concedeu a Nínive, através de Jonas, a mensagem era clara quanto à condição de arrependimento da parte deles, caso contrário, a cidade não seria poupada. Da mesma maneira, a ameaça de morte feita a Adão, caso ele comesse da árvore proibida, não foi cumprida até onde a compreensão da morte eterna pudesse ser alcançada, pois um Fiador se apresentou, cuja morte honra mais a Deus do que se o próprio Adão tivesse morrido. Tampouco a paciência de Deus entra em desacordo com a Sua justiça e retidão. Nunca achamos que um juiz esteja errado por adiar um julgamento ou a execução do mesmo por razões justas. E que ninguém pense o contrário por achar que Deus não tenha bons motivos para exercitar Sua paciência! Ele não tem prazer em ver a morte do Seu povo (II Pedro 3: 9 – a longanimidade diz respeito a nós, isto é, aos Eleitos de Deus, a quem a promessa é feita). Deus glorificou Sua justiça em Cristo, e a Sua paciência agora está em perfeita harmonia com a Sua justiça. Além disso, Deus tem o direito de escolher o tempo e ocasião que melhor lhe agrada para executar o julgamento dos malfeitores. Os tempos e estações estão nas mãos e no poder do Pai (Atos 1: 7). A justiça tem toda a eternidade para demonstrar a si mesma, mas a paciência não. Ao invés de ser violada, a justiça se faz mais visível pela paciência de Deus, toda objeção contra a justiça será mais do que removida, por causa da grande paciência que Deus tem demonstrado para com os pecadores.

II.    COMO A PACIÊNCIA DE DEUS É MANIFESTADA.

Consideremos alguns exemplos gerais:

Ele manifestou Sua paciência a Adão e Eva. Deus os poderia ter matado no momento em que eles primeiramente consentiram com a tentação, porque foi assim que o pecado teve início, pois comer foi mais o fim de um ato do que propriamente o seu começo. Ao invés disso, Deus permitiu que Adão vivesse 930 anos. Permitir que a raça humana viva até hoje, é um testemunho da Sua paciência.

Deus manifestou Sua paciência aos Gentios. Seus crimes, descritos em Romanos 1, são abundantemente suficientes para que a ira do Todo-Poderoso caia sobre eles num só momento. Entretanto, Deus é tão grandiosamente paciente, que não leva em conta os tempos da ignorância (Atos 17: 30). Ele pisca como se não os visse, não os chamando para prestar constas dos seus pecados neste determinado momento.

Deus manifestou Sua paciência com Israel. Embora Deus soubesse que eles eram um povo obstinado, suportou os seus costumes no deserto (Atos 13: 18). Deus os suportou por quase mil e quinhentos anos, desde a época do Êxodo, até a destruição da cidade de Jerusalém pelos Romanos.

Vamos considerar agora algumas maneiras específicas pelas quais Deus manifesta este atributo:

1.    Ele avisa de antemão os Seus julgamentos. Muitas páginas do Velho Testamento são uma prova clara disso. Quantos profetas de Deus foram enviados com uma mensagem de desgraça iminente! Enoque e Noé avisaram os antediluvianos. Todo julgamento extraordinário que sobreveio a Israel foi profetizado; desde a fome no Egito, profetizado por José; até a desolação de Jerusalém, predita por Cristo. O propósito claro destes avisos era evitar que Deus derramasse a Sua ira. Antes que Ele fira, Ele levanta a sua mão e agita a Sua vara, a fim de que o homem perceba e evite ser castigado. Através de Jonas, Deus ameaçou Nínive com destruição, para que o arrependimento daquela cidade pudesse evitar o cumprimento da profecia. Ele ruge como um leão, para que o homem ouça a Sua voz e proteja-se a si mesmo de ser despedaçado pela Sua ira.

2.    Deus adia os Seus julgamentos, mesmo que os rebeldes não se arrependam. Quantas vezes não se executa logo o juízo sobre a má obra (Eclesiastes 8: 11)! Enquanto Deus prepara as Suas flechas, espera pacientemente por uma ocasião para colocá-las de lado, e embotar suas pontas. Ele disse a Israel: Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei (Ezequiel 18: 32). Ele pacientemente restringiu a Sua ira sobre Sodoma, até chegar ao ponto máximo que Sua justiça suportava, não permitindo mais restringi-la. Ele suportou a iniquidade dos Amorreus por quatrocentos anos (Gênesis 15: 16). Ele prolongou o julgamento de Acabe por causa de uma mera sombra de humilhação da sua parte. Ele esperou quarenta anos para se vingar da geração que crucificou Seu Filho Unigênito.

3.    Quando Deus já não pode mais adiar, então Ele executa Seus juízos, mas como se não desejasse fazê-lo. Porque não aflige nem entristece de bom grado aos filhos dos homens (Lamentações 3: 33). As profecias carregadas com julgamentos são chamadas de peso do Senhor, não somente porque são um peso para aqueles que o recebem, mas também para Aquele que os envia. Vemos o mesmo pesar no dilúvio: Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração (Gênesis 6: 6). Considere ainda as Suas palavras em Oséias 6: 4: Que te farei, ó Efraim? Que te farei, ó Judá? Porque a vossa benignidade é como a nuvem da manhã e como o orvalho da madrugada, que cedo passa. Por isso o Salmista exclama: Ele, porém, que é misericordioso, perdoou a sua iniquidade; e não os destruiu, antes muitas vezes desviou deles o seu furor, e não despertou toda a sua ira (Salmo 78: 38), como se Ele estivesse indeciso quanto ao que fazer. Uma vez que o julgamento se inicie, ele ocorre gradualmente. Primeiro vem a lagarta, em seguida o locusta, depois a locusta, e por último, o pulgão (Joel 1: 4).

4.    Deus ameniza os Seus julgamentos ao enviá-los. Ele não esvazia a Sua aljava de uma vez, nem abre todo o seu arsenal. Ele frequentemente pune alguns poucos, para que sirvam de exemplo, ao passo que poderia punir a todos. Esdras assim orou: E depois de tudo o que nos tem sucedido por causa das nossas más obras, e da nossa grande culpa, porquanto tu, ó nosso Deus, impediste que fôssemos destruídos, por causa da nossa iniquidade, e ainda nos deste um remanescente como este (9: 13). Deus não amaldiçoou a terra para que não produzisse fruto, mas que esta desse fruto mediante o trabalho cansativo da parte do homem. Até mesmo quando nos castiga, Deus ainda assim nos auxilia.

5.    Deus pacientemente continua a derramar Suas misericórdias, mesmo depois de O provocarmos. Enquanto o homem continua no pecado, Deus continua a manter as Suas misericórdias da graça comum. Israel murmurou ao chegar ao Mar Vermelho, e ainda assim Deus realizou uma extraordinária libertação ali.

6.    Tudo isso é espantoso, principalmente quando consideramos as nossas muitas provocações contra Deus. Não devemos subestimar a enormidade dos nossos pecados. Cada um deles é uma alta traição contra o Rei dos céus. Sua justiça, santidade, e onisciência clamam por um julgamento, mas a paciência absoluta adia o julgamento por um tempo. A quantidade de pecado que temos cometido é estrondosa, muito além do que poderíamos calcular. Quantos pecados um homem comete durante toda a sua existência? Quantos pecados de omissão podem ser contabilizados? Quantas provocações feitas aqui na terra se levantam contra os céus em apenas um único dia? E considere o quanto Deus tem sido paciente com este mundo. Por seis mil anos, cada canto da terra tem participado das riquezas da bondade, tolerância, e longanimidade de Deus. Nenhum pecado lhe é oculto, e não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar (Hebreus 4: 13). Como a paciência de Deus é grande! Os anjos ficariam felizes de receber uma ordem vinda do trono de Deus para destruir imediatamente este mundo ímpio, e somente a paciência de Deus é que poder deter tal fúria.

III.    PORQUE DEUS EXERCE TANTA PACIÊNCIA.

Ao exercer paciência, Deus se mostra a si mesmo apaziguável. Ele nãos se mostra implacável, mas reconciliável. A Sua paciência mostra ao homem que ele pode encontrar um Deus que lhe é favorável, caso o busque e o siga. O fato de Deus não ter destruído Adão e Eva imediatamente, mas suportado a ambos, demonstrou Sua paciência e deu assim ao homem a esperança de algo melhor, mesmo que isso não tivesse sido claramente revelado. Até os pagãos, que só testemunham da glória de Deus nos céus (Salmo 19: 1), deveriam deduzir que Aquele que os criou é misericordioso, a despeito de tantas ofensas que eles tem cometido. E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações (Atos 14: 17). Deus não está fingindo ser amigo dos Seus inimigos, mas na verdade está se mostrando amigável, encorajando-os ao arrependimento, e dando-lhes uma base firme de esperança de perdão.

Ao exercer paciência, Deus concede aos homens uma ampla oportunidade de arrependimento. Ele diz exatamente isso a respeito de Jezabel, a mulher citada na igreja de Tiatira. E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu (Apocalipse 2: 21). Pedro escreveu que a longanimidade do Senhor é salvação (II Pedro 3: 15), isto é, a paciência de Deus é a Sua solicitação para que o homem atenda aos meios de salvação. Pedro continua a dizer que Paulo, inspirado por Deus, escreveu a mesma coisa, referindo-se, é claro, a Romanos 2: 4; o qual nos diz que a bondade de Deus conduz o homem ao arrependimento. A bondade e longanimidade nos tomam pela mão, apontando para onde devemos seguir. Já que todo homem por natureza sabe que os pecadores merecem o julgamento de Deus (Romanos 1; 22), então eles não poderiam racionalmente interpretar mal a paciência exercida por Ele, considerando-a como uma forma de aprovação dos seus pecados. Um raciocínio saudável deveria levá-los a pensar que a lentidão da ira de Deus, e a Sua disposição em adiar o Seu julgamento, são provas claras da Sua divina paciência.

O exercício da paciência de Deus permite a propagação da humanidade. Sem paciência, nenhuma raça procederia de Adão. A honra de Deus seria manchada, pois Deus formou a terra, e a fez; ele a confirmou, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada (Isaías 45: 18).

Deus exercita paciência para a continuidade da aliança feita com Seu povo. Este é um propósito especial da parte de Deus. Ele é paciente com a humanidade em geral, pois é dela que Deus chama os Seus eleitos para a salvação. Eles procedem desta fonte de pecadores. Uma mulher condenada à pena capital não poderia ser executada caso estivesse grávida, mas o adiamento ocorria por causa da criança, e não por causa dela. Da mesma maneira, se Deus tivesse executado o rei Acaz por causa do seu pecado, o rei Ezequias, que foi um bom rei, nunca teria nascido. Deus suportou por muito tempo a rebelião de Israel, e isso por causa do Salvador dos pecados que nasceria daquela nação. É por causa do Seu próprio nome que Ele adia a Sua ira. Como um capitão paciente, Deus espera até que todos os Seus passageiros estejam a bordo.

A paciência que Deus exerce com o ímpio é para o bem do Seu povo. Arrancar o joio agora, iria prejudicar a boa planta. Deus pouparia Sodoma se pudesse contar nos dedos da mão um número de pessoas tementes a Deus naquela cidade. Ele também usa o ímpio para aperfeiçoar a paciência dos santos. Ao demonstrar esta paciência com os ímpios, Deus nos prova ou nos protege, e isso para o nosso próprio proveito.

Através da paciência de Deus, os pecadores são deixados sem desculpas, e a Sua ira santa é justificada mais ainda. Como a sabedoria é justificada por seus filhos, assim também a justiça com aquele que se rebela contra a paciência. Como os homens podem culpar a Deus por alguma ofensa contra eles, quando na verdade eles é que rejeitam a Sua oferta? Já que Deus tem o direito de castigar o homem, a despeito de este ter cometido apenas um pecado, sendo que Ele pacientemente tem suportado inúmeros, não ficará o homem totalmente inescusável por continuar no pecado? Por isso, todo pecador é incontestavelmente merecedor da ira de Deus. Deus é longânimo aqui, para que a Sua justiça seja evidenciada publicamente no futuro.

Finalmente, as implicações práticas deste atributo devem ser aplicadas aos nossos corações.

I.    INSTRUÇÃO.

A paciência de Deus é abusada. Em última análise, todo pecador é culpado deste abuso. Muitos homens olham para a paciência de Deus de forma errada, ao considerarem que isso não passa de uma negligência ou um descaso da Sua parte. Alguns até imaginam que isso seja uma forma de consentimento com o seu pecado, fazendo com que Deus seja um cúmplice de seus crimes. Pelo fato de Deus permanecer em silêncio, os homens pensam que Ele seja totalmente parecido com eles (Salmo 50: 21). Qualquer um que continue na prática do pecado, abusa da paciência de Deus, como se Deus os estivesse protegendo, enquanto se rebelam contra Ele. Quantos homens cessaram de pecar enquanto estavam sob a vara de Deus, mas assim que Ele, em Sua paciência, retirou a vara, eles retornaram aos seus antigos caminhos! Eles agem como se Deus tivesse reabastecido a Sua paciência e assim pudessem continuar pecando mais ainda. Desta forma, a paciência que deveria amolecer seus corações, acaba por endurecê-los. O Faraó foi de certo modo descongelado pelos castigos, mas congelado novamente quando Deus o rejeitou. Os homens abusam deste atributo ao tomarem coragem de ir mais fundo, abraçando pecados ainda maiores. Porquanto não se executa logo o juízo sobre a má obra, por isso o coração dos filhos dos homens está inteiramente disposto para fazer o mal (Eclesiastes 8: 11).

O abuso deste atributo é um grande mal. Cada novo pecado que se comete contra a paciência gradativa de Deus, faz com que o pecado se torne mais grave, e digno assim de um maior castigo.

É muito perigoso abusar da paciência de Deus, pois ela terá um fim. Não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem (Gênesis 6: 3). A Sua paciência termina quando o homem parte desta vida. Deus tem a ira para punir assim como a paciência para suportar. Que ninguém pense que Deus não exercerá a sua ira simplesmente porque Ele é tardio em irar-se (Êxodo 34: 6). Embora a paciência sobrepuje a justiça ao suspendê-la, a justiça finalmente sobrepujará a paciência ao silenciá-la totalmente. Deus é lento para tirar uma flecha da Sua aljava, e lento ao levá-la até o arco, mas nunca erra o seu alvo. Ele suportou a nação de Israel por muito tempo, mas a pulverizou até as cinzas pelo poder do império Romano! Quanto mais a Sua paciência é abusada, maior será o exercício da Sua ira. Enquanto o homem está abusando deste atributo, Deus está afiando a Sua espada. Quanto mais eles pecam, mais cortante fica o fio da espada. Quanto mais Ele toma fôlego para soprar, maior será a queda deles. E finalmente quando o juízo chegar, este será rápido e severo. Então veremos que teria sido muito melhor ter sido castigado antes, do que ter abusado da paciência de Deus e acumulado um grande tesouro de ira. Um dos grandes tormentos do inferno será o de lembrar-se da longanimidade de Deus e o seu inescusável abuso.

Este atributo explica por que Deus permite que Seus inimigos oprimam o Seu povo, pois só assim podemos ver o poder que Ele exerce sobre si mesmo. Deus não teria adquirido um nome tão grande nos dias de Moisés, se tivesse eliminado Faraó na sua primeira perseguição contra a nação de Israel.

Este atributo explica por que Deus permite que o pecado ainda permaneça naqueles que foram regenerados, pois só assim podemos pessoalmente conhecer a sua paciência. No céu, não haverá lugar para este atributo, pois não haverá mais provocações. Este mundo é o único lugar para a paciência ser demonstrada. Na eternidade, este atributo permanecerá guardado na Divindade.

II.    CONFORTO.

A paciência de Deus tem um significado especial para os cristãos. Nosso Pai Celestial é o Deus de paciência e consolação (Romanos 15: 5). A primeira expressão de conforto dada a Noé, após ele sair da arca, foi a confirmação da paciência de Deus, e isso se fez através da promessa de Deus de não mais destruir a terra com um dilúvio (Gênesis 9: 11). Desde que o mundo não melhorou em nada, é evidente que a manifestação da paciência de Deus, para com o novo mundo, é maior do que aquela manifestada ao velho.

Por que a paciência de Deus é um conforto para os cristãos?

- Porque ela prova a graça de Deus para com Seu povo. Se Ele é paciente com aqueles que não se arrependem e creem, certamente o será muito mais com aqueles que reconhecem que tal paciência os conduziu àquele propósito revelado, ou seja, ao arrependimento.

- Porque ela é um alicerce firme para confiarmos em Suas promessas. Se as provocações dos homens não são prontamente respondidas com um castigo da parte de Deus, a fé nEle redundará num “bem-vindo benditos de meu Pai.”

- Porque ela é um grande conforto nas enfermidades. O que seria de nós se Deus trouxesse cada um Seus santos para prestar contas dos pecados? Não poderíamos nem sequer completar uma oração! Mas Deus é um Pai paciente, e nos poupa como um homem poupa a seu filho, que o serve (Malaquias 3: 17). Pense em como Ele suporta a nossa adoração e serviço imperfeitos!

III.    EXORTAÇÃO.

Vamos meditar sempre sobre a paciência de Deus. Como podemos nos esquecer deste atributo, quando ele está presente em cada pedaço de pão e em cada respiração? Nada agrada mais ao Diabo do que distorcer este atributo em nossas mentes. Mas meditar nessa excelente perfeição de Deus fará:

- Que Deus nos seja mais amável. Em alguns aspectos, este atributo é mais espantoso do que Sua bondade, a qual é demonstrada a toda criação. A paciência tem a ver com as criaturas caídas.

- Que o nosso arrependimento seja mais frequente e mais sério. Ao percebermos que pecamos contra um Deus tão gentil, isso deveria nos envergonhar perante Ele. O fato de ainda existirmos não é um testemunho da pequenez dos nossos pecados, mas da imensidão da paciência de Deus. Oh, miserável homem que sou, abusando assim da longanimidade de Deus e com isso ofendendo-O! Oh, que infinita paciência, ao usar o Seu poder pra me preservar, quando poderia usá-lo para me condenar!

- Que fiquemos mais ressentidos com as injúrias que outros cometem contra Deus. Qualquer paciente que sofre atrai a compaixão dos homens. Quando vemos a paciência de Deus sendo menosprezada pelos homens, isso deveria nos levar a defender a Sua causa.

- Que sejamos pacientes sob a vara da mão de Deus. Se levássemos em conta o quanto Ele nos poupa, certamente daríamos graças nas tribulações ao invés de murmurar.

Vamos admirar e nos maravilhar com tamanha paciência, louvando a Deus por isso. Se tivéssemos roubado o nosso vizinho, ele certamente se vingaria, a menos que fosse muito fraco para fazê-lo. Nós temos feito pior com Deus, e ainda Ele mantém a Sua espada na bainha. Certamente que no céu, uma grande parte dos nossos hinos será em louvor a paciência que Deus demonstrou para conosco, ao nos chamar em Cristo; e em preservar a nossa vida; a despeito dos incontáveis insultos que cometemos contra Ele. Somente quando estivermos em uma distância segura, e contemplarmos de longe o inferno de que somos merecedores, é que reconheceremos o quanto somos devedores a Deus. Assim como Paulo, vamos olhar para nós mesmos como aqueles a quem Deus mostrou toda longanimidade (I Timóteo 1: 16).

A fim de elevar os nossos pensamentos a respeito deste atributo, vamos ressaltar alguns pontos:

- O número dos nossos pecados. Cada minuto que vivemos, o fato de sermos pecadores fica mais evidente, assim como o exercício da paciência de Deus. Pense no efeito que um só pecado causou sobre Adão, ou Moisés, ou Ananias e Safira. Agradeça a Deus por Ele exercer paciência conosco!

- Que somos criaturas vis. Vamos permanecer em espanto diante da glória de Deus, que condescendeu em descer e esperar por nós, que não passamos de vermes da terra.

- Como é sublime e santo Aquele que espera por nós. Um momento de paciência da parte de Deus transcende toda a paciência, de todas as criaturas combinadas ao mesmo tempo.

- O quanto Ele tem sido paciente até aqui. Um homem condenado a pena capital, considera um privilégio o adiamento de sua sentença por trinta dias, mas Deus tem dado a muitos homens trinta anos ou mais, a despeito das grandes ofensas por eles cometidas. Os que foram condenados ao inferno, reconhecem que foi um ato de bondade da parte de Deus o fato de terem sido poupados apenas um dia, pois desta forma também lhes foi concedido uma oportunidade para se arrependerem.

- O quanto Deus tem sido mais paciente com você do que com outros. Quantas pessoas que cercam a sua vida já morreram e você ainda continua vivo! Os seus pecados são menores do que os deles? Ou será que Deus, de fato, está sendo mais paciente com você? Se Deus já tivesse colocado um fim em sua vida, antes de você ter se preparado para a vida eterna, como seria deplorável a sua condição hoje. Que aqueles cujas vidas passadas se encontravam na cova profunda da morte devem fazer a seguinte consideração: Deus poderia ter tirado a minha vida enquanto estava no caminho da prostituição. Será que você ficará cansado de louvar e engrandecer a Deus por Sua tão grande paciência?

Não devemos tirar conclusões erradas sobre a paciência de Deus. Os pecadores devem entender que embora estejam sob a paciência de Deus, estão também sob Sua ira. Deus se ira todos os dias com o ímpio (Salmo 7: 11). Não continue a desperdiçar as oportunidades tão preciosas que Deus tem dado a você até agora, a fim de você possa abandonar o pecado e voltar-se para Ele. Lembre-se, o inferno está cheio de pessoas que desfrutaram da paciência de Deus. Portanto, você necessita mais do que a Sua paciência. A paciência de Deus diz que Ele é aplacável, mas não que dizer que Ele foi aplacado. Um Deus aplacável é um privilégio somente daqueles que genuinamente se arrependeram dos seus pecados e creram no Senhor Jesus Cristo como único Salvador.

Vamos imitar este atributo de Deus, sendo pacientes com outras pessoas. Como Deus é diferente do homem apressado! Já que Deus se mostra paciente com as nossas muitas injúrias, como podemos ser tão apressados em nos vingar de outras pessoas por causa de uma pequena ofensa? É no contexto de fazer o bem aos nossos inimigos que nosso Senhor nos ensinou a sermos semelhantes a Deus. Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus (Mateus 5: 48). Portanto, vamos demonstrar o poder que Deus exerce sobre o nosso próprio espírito, e sejamos tardios em irar-nos.


________________________________________________
Autor: Stephen Charnock
Tradução: Eduardo Cadete 2011
Fonte: Palavra Prudente

Publicado por : Reforma Radical ~ Aproveite para ler muitos outros textos.

Artigo: A Paciência de Deus - Stephen Charnock . Publicado por: Reforma Radical dia: 19 dezembro 2013 . Esperemo que este artigo tenha edificado sua vida e que você volte muitas outras vezes. Aproveite para comentar sobre o texto. 0 Comentário na postagem: A Paciência de Deus - Stephen Charnock
 

0 comentários:

Postar um comentário